terça-feira, 22 de novembro de 2011

A COLHEITA NÃO TARDA O SEU INÍCIO

Enzo Carlo Barrocco




















Um sol inconteste se espraia
Pela lavoura.
O milharal se perde no horizonte
E o dia incomum se alarga
Acompanhando o trote dos minutos.

O calor faz lembrar
Que outubro se adianta
E a colheita não tarda seu início.
O planeta se sustém na lavoura. 


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A POESIA PARAIBANA DE ANGÉLICA LÚCIO

O POEMA


Pétrea



Por vezes,

me sinto pedra

pele salgada

sob a língua vermelha

em esgares de náufrago

estátua translúcida
sumindo em saliva: 
a eterna mulher de Lot.





A POETA

















Angélica Gomes de Oliveira Lúcio de Sousa, paraibana de Patos, poeta e jornalista, no convés da fragata desde 1974, trabalha seu texto poético sobre a finíssima lâmina que separa o sacro do lúbrico. A poesia forjada a ferro e fogo onde se podem observar sutis labaredas. Angélica já participou de alguns concursos literários obtendo excelentes resultados. Rigor e economia nas palavras, mas não na beleza dos seus versos. Excelente poeta advinda do sertão paraibano, radicada atualmente na capital João Pessoa.



sexta-feira, 11 de novembro de 2011

PÁSSAROS DO ANOURÁ - POETRIX - 25ª TRÍADE



Enzo Carlo Barrocco


SODOMA

A mulher de Ló -
Pedra de sal que só queria
Um pecado derradeiro.


ASSOMBROSAS ALMAS

Árvores mortas.
Sob um céu aberto
Assombrosas almas.


NATUREZA

Cais de arrimo:
A baía reclama violentamente
Seu espaço.

 

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A LANTERNA DOS LUMIÈRE - POCAHONTAS – A INGLATERRA INVADE O NOVO MUNDO

UM INÍCIO DE MASSACRE



FILME: Pocahontas – o Encontro de Dois Mundos – Infantil – EUA -  1996 – 1h21 – Direção Mike Gabriel e Eric Gondemberg


Desenho aminado dos Estúdios Disney, o qual conta uma história real. Pocahontas é uma linda índia que vive na paz de sua aldeia com seu povo, à época dos descobrimentos, até a chegada de um navio inglês liderado pelo intrépido capitão John Smith. É um filme rápido, o que não o impede de ser um clássico Disney. Prefira a versão legendada, pois a dublada, em certos momentos, chega a ser sofrível, com falas inaudíveis. É certo que você irá gostar desse filme.




segunda-feira, 7 de novembro de 2011

POR UMA LUZ ACESA

Enzo Carlo Barrocco




Acendeu a luz do quarto,
eu, que já queria dormir,
achei aquilo um desprósito.
Falei alguma
coisa que hoje nao lembro.

Porque já era tarde
e segunda-feira apontava
não levei o assunto à frente.
Pela manhã
ainda dormia quando saí.
Nunca mais voltei.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

MANHÃ ENVIESADA

Enzo Carlo Barrocco

















O sol nasce oblíquo
na manhã que toma forma,
um silêncio temporário se adere à  paisagem.

a luz vaza entre as nuvens,
o céu, vagarosamente, recupera o azul
e o tempo segue seu caminho intangível. 


MONTEIRO LOBATO NO DIÁRIO DOS PENSADORES

"Só quem está sendo asfixiado aprende que o ar existe".
















* Monteiro Lobato ( Taubaté 1882 - São Paulo 1948) contista e romancista paulista e escritor de livros infantos-juvenis.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

LIBÉLULAS RUBRAS - 2ª TRÍADE



Enzo Carlo Barrocco



VITRAIS
Nos vitrais
noturnos do poema
saltam as palavras
na lauda
ocre da
solidão azul do poeta.

ILHAS
Nossa amizade
é um mar, um grande
mar duradouro,
e nós somos
duas ilhas que ficaram retidas
nas brumas do tempo.

PEDRA-PÁSSARO
Cantam as pedras
seus silêncios milenares;
sal, pedra, pássaro,
e passam os homens,
palavras-túmulos.