segunda-feira, 29 de novembro de 2010

LUAS DE AJURUTEUA - Canto nº 08

Enzo Carlo Barrocco


FOTOGRAFIA NOTURNA
A madrugada se arrasta
deslumbrante, fria, só;
a lua se precipita
para os braços do igapó.

NOTÍCIA BIZARRA
Celina mudou de sexo,
de garça virou jacu;
botou no lugar da fenda
um pedaço de bambu.

MADRUGADA NA METRÓPOLE
A cidade nunca para,
por uma neblina envolta,
movimento, carros, gente,
os ladrões estão à solta.

LEITURA
Que satisfação me dá
ler um excelente livro!
De uma boa leitura,
amigo, eu não me privo.

ADOÇÃO
Muito carinho e amor
e atenção redobrada
precisa, até mais que um filho,
a criança adotada. 


quinta-feira, 25 de novembro de 2010

PARAGENS


Enzo Carlo Barrocco


O azul consistente
denuncia um excelente
crepúsculo,
o sol descoberto
mergulha rente a mata rala.

Um pau seco,
resquício da floresta densa,
acena com seus
macérrimos braços de condenado.

Uns pássaros atrasados
cortam a linha magenta
do horizonte.
Os bichos diurnos,
certamente, se atocaiam.

A cada dia
nestas paragens.
a temperatura se acentua.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A PEQUENA HISTÓRIA DO BURGUÊS EMPOBRECIDO

Enzo Carlo Barrocco

Eu era um burguês
que calçava belos sapatos Vlastiflore
e vestia paletó Saubert
mas uma terrível crise se abateu
sobre meu pequeno mundo
e minha conta bancária atrofiou.

Minha mulher (quatorze anos de casados),
mesmo diante da desgraçada crise,
permaneceu comigo firmemente.
O casal de filhos, evidentemente, sentiu
a brusca mudança de padrão.


Do apartamento amplo e do carro confortável
logo me desfiz.
Até esta exata hora
ainda não consegui me refazer.


Uma chuva torrencial
se abate sobre este bairro mediato.
Goteiras, goteiras, goteiras;
esqueci de esticar o plástico sobre
parte do telhado...