segunda-feira, 30 de junho de 2008

PÉTALAS DE SAKURA - HAI-KAIS - 6º TERCETO



A POESIA MAIOR DE MARLY DE OLIVEIRA


Marly de Oliveira
Cachoeiro do Itapemirim 1937 - Rio de Janeiro 2007
Poeta espírito-santense



PARECIA UM PÁSSARO

Parecia um pássaro, um frêmito
de folha, uma líbélula,
uma coisa evanescente
e volátil:
não era nada, um pensamento / de amor? /
que se ensaiou na sombra
e desapareceu qual rã.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

MARIZE CASTRO E A POESIA POTIGUAR


Marize Castro
Natal 1962

Poeta e jornalista potiguar

Muralha

Porque me abasteci, estou de volta.
Trago comigo coisas abandonadas.
Coisas que os homens jogaram fora:
placentas, gânglios, guirlandas, guelras.

Retorno alimentada. Perigosa.
Mais mar. Mais aberta.

Hoje descobri que quando estou dormindo
Deus segura minha mão e a leva para seu rosto.
Para Ele
sou mulher e menina.
Para o mundo
sou silêncio e desordem.
Lassidão e rumor.

Uma muralha que sempre desejou ser flor.

segunda-feira, 23 de junho de 2008

JIRAU DIVERSO
Nº 27– maio.2008
por Enzo Carlo Barrocco

A POESIA ESPÍRITO-SANTENSE DE GEIR CAMPOS

O POEMA

VIRGÍLIA

Não, meu amigo, não precisas ter
nenhum cuidado: havendo o que cuidar,
cuidarei eu constantemente a te poupar
coitas que vão teu coito arrefecer.

Coitado de quem deixa a noite ser
vinda fora de tempo e de lugar
sombreando as alturas do prazer
com rasteiras tribulações do lar.

Antes que venha a noite, vai o dia
mostrando os horizontes de alegria
que tem a palmilhar no corpo dela:

são costas, são gargantas, são colinas
— toda uma geografia em que te empinas
enquanto pelo teu meu amor vela.

O POETA

Geir Nuffer Campos, poeta, contista, dramaturgo, ensaísta e crítico literário espírito-santense (São José do Calçado 1924 – Niterói, RJ 1999) foi, desde criança, ligado à cultura geral, em especial à literatura. Ganhou, ao longo da vida, vários prêmios literários. Um escritor múltiplo que trabalhou a vida inteira pelo engrandecimento da arte de escrever. Geir publicou significativa obra ensaística sobre tradução que, até hoje, é referência para os interessados no assunto.

ESTANTE DE ACRÍLICO

Livros Sugestionáveis

Ou o Poema Contínuo (Poesias)
Autor: Herberto Helder
Edição: Editora A Girafa
A poesia portuguesa atual se mostra no trabalho de Helder. Coerência, originalidade e técnica nos textos deste excelente autor.

Os Crimes do Amor (Novelas)
Autor: Marquês de Sade
Edição: L&PM Pocket
Quatro excepcionais novelas que bem mostram o gênio literário do Marquês. Momento em que o autor foge de sua linha principal.

Caminhos da Vida (Poesias)
Autora: Maria da Silva Costa
Edição: Secult
Não espere neste livro a formalidade intransigente da gramática ou a austeridade inflexível da metrificação e, sim, o fluir natural do coração de uma pessoa vivida e com o sentimento acima de tudo o mais.

***

A FRASE DI/VERSA

Do mesmo modo que te abriste à alegria
Abre-te ao sofrimento
Que é fruto dela e seu avesso ardente
. Ferreira Gullar (São Luís 1930) Poeta, romancista, dramaturgo, contista, e ensaísta maranhense.

DA LAVRA MINHA

manhã

Enzo Carlo Barrocco

nuvens sobre as telhas
a manhã fria, fria, fria...
orvalho no jasmineiro
pela janela laranjal e açude

ao longo do caminho
um veio d´água da chuva passada
atravessa a cerca
e se perde para os fundos do terreno

nos galhos secos dos paus mais altos
uns pássaros esperam
o sol sob a abóbada gris
de um céu difuso

alguns homens embuçados
passam no caminho
há dias que o tempo anda
assim enevoado

quinta-feira, 19 de junho de 2008

DOLABELA: UM POETA DE BOA CEPA


Marcelo Dolabela
Lajinha 1957
Poeta e cronista mineiro


BALANÇO DA DÉCADA

uma década tem mais de cem séculos
dez bilhões de vozes num único eco
mil e uma noites num mero segundo
poucos trilhões de silêncio num ponto

quanto se conta os átomos é ótimo
a hora fica interminável num átimo
não se chega nunca a nenhum lugar
e apenas se volta ao mesmo volume

um só dia tem bem mais de dez décadas
num rústico eco a maior biblioteca
da luz do segundo nenhum consenso
até quanto nos faltará silêncio

quarta-feira, 18 de junho de 2008

O DIÁRIO DOS PENSADORES - PÁGINA 28

-Nada causa tão seguramente a perdição de um povo como o deixar-se enganar por palavras e aparências.
- François Guizot (Nîmes 1787 – Val Richer 1874) político e historiador francês

Só admito que uma coisa não seja natural: a arte.
- André Gide (Paris 1869 – Idem 1951) romancista e ensaísta francês

Aparentar-se pelo coração é ser amigo.
- Pedro Nava (Juiz de Fora 1903 – Rio de Janeiro 1984) memorialista mineiro

A única maneira de se definir os limites do possível é ir além dele, para o impossível.
- Arthur Clarke (Minehead 1917) contista e novelista inglês

A imaginação veste o nu e despe o vestido.
- Mariano José Pereira da Fonseca, o Marquês de Maricá (Rio de Janeiro 1773 – Idem 1848) filósofo e matemático fluminense

Acreditar em rosas é o que as faz desabrocharem.
- Anatole France (Paris 1844 - Saint-Cyr-sur-Loire 1924) romancista francês

Privado do direito de dizer não, o homem torna-se escravo.
- Albert Camus (Mondovi 1913 – Villeblevin, França 1960) romancista, dramaturgo, ensaísta e jornalista francês, nascido na Argélia

O silêncio é o elemento no qual as grandes coisas se completam.
- Thomas Carlyle (Ecclefechan 1795 – Londres 1881) historiador, jornalista e filósofo escocês

A miséria oferece e a sociedade compra.
- Victor Hugo (Besançon 1802 – Paris 1885) ensaísta, poeta, dramaturgo e romancista francês

E o Cristo? É um anarquista que teve êxito.
- André Marlraux (Paris 1901 - Verrières-le-Buisson 1976) romancista e ensaísta francês

Precisamos de homens que possam sonhar com coisas que nunca foram feitas.
- John Kennedy (Brookline 1917 – Dallas 1963) político e ex-presidente americano

Tudo que vês é miragem. Procura a essência que não se vê.
- Kahlil Gibran (Bsharri 1883 – Nova York 1931) poeta libanês


terça-feira, 17 de junho de 2008

NOTAS PEQUENAS: A RENÚNCIA DO ESPERTALHÃO

Croniquetas

por Enzo Carlo Barrocco



Bejani: pego de calças curtas

Eis que o prefeito de Juiz de Fora, Carlos Alberto Bejani, renunciou ao cargo, ontem dia 16.06.08, pressionado pela imprensa e pela opinião pública depois de ter sido preso pela segunda vez por ter se metido em falcatruas diversas. A Polícia Federal suspeita que Bejani recebia propinas mensais para favorecer o setor de transporte de Juiz de Fora. O próprio empresário do setor armou a arapuca para que Bejani caísse nela, gravando em vídeo alguns dos encontros. Bejani é apenas um dos milhares de canalhas de paletó e gravata que se ancoraram no serviço público para fraudar o Estado Brasileiro em todas as suas esferas.

quinta-feira, 12 de junho de 2008

LUIZ EDMUNDO ALVES: UM POETA DE VITÓRIA


Luiz Edmundo Alves
Vitória da Conquista 1959
Poeta baiano

insônia

insônia rude.
ruídos urbanos.
silvo
sirene
carro
cães
calor
alarme.
insônia de
algodão e alarde
algum desenredo
deve haver.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

JIRAU DIVERSO N° 26

JIRAU DIVERSO
Nº 26– abril.2008
por Enzo Carlo Barrocco

A POESIA PAULISTA DE CARLOS FELIPE MOISÉS

O POEMA

AS FORMAS DO BRANCO

Caminho pela neve
e o mundo principia neste branco.
Tenho a verdade, sonho breve,
branco retido no branco.

Girassol amanhecido longe,
a verdade apareceu-me nesse branco.
Tempo devorado como carne, corpo ferido,
vermelho sobre o branco.

Os pássaros nascem nas nuvens,
azul distante.
Tinha a verdade, perdi-a;
branco escondido no branco.

O POETA

Carlos Felipe Moisés, paulista da capital, poeta e crítico literário, no convés da fragata desde 1942, no início da carreira participou de um grupo de jovens escritores de São Paulo e Santa Catarina chamado de “Os novíssimos”. Moisés é um poeta dos nossos tempos, levando para os seus escritos os sons e as cores que encantam ao primeiro contato. Pós-modernidade de lirismo na excepcional poesia de Moisés.

***

ESTANTE DE ACRÍLICO

Livros Sugestionáveis

O Melhor das Comédias da Vida Privada (Contos)
Autor : Luís Fernando Veríssimo
Edição: Editora Objetiva
Na mesma linha de “A Vida Como Ela É...” de Nelson Rodrigues, Veríssimo vai tecendo histórias sensuais usando de seu talento de costume. Menos seriedade do que Nelson, entretanto seu humor continua excelente.

Oração de Floresta e Rio
Autor: Marcos Quinan
Edição: Projecto Editorial
Quinam viaja por furos e igarapé, igapós e várzeas para mostrar a poesia dos povos das florestas. Aqui e acolá um poema-homenagem.


Poesia de Florbela Espanca – Volume I
Edição: L&M Pocket
“Trocando Olhares”, O Livro D´Ele” e “Livro de Mágoas” são três dos livros de Florbela aqui reunidos. Embora o forte ímpeto erótico, a poeta, em certos momentos, mostra-se bastante melancólica. Florbela e sensível e surpreendente.

***

A FRASE DI/VERSA

- A repetição é a mão do talento. Se não repetir não acerta.
. Carlos Caetano Bledorn Verri, o Dunga (Ijuí 1963) ex-jogador gaúcho e atual técnico de futebol.


DA LAVRA MINHA

UM PASSO À FRENTE

Enzo Carlo Barrocco

Um passo à frente
e uma luz acende...
Não te importa com o caminho
emaranhado ,
avança com a tua ferramenta à mão.

Firma teu passo
no chão resvaladiço
e logo verás uma estrada larga,
ampla, sinalizada
que poderá levar-te
a um bom desfecho.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

NOTAS PEQUENAS: SAFINA, A ESTRESSADA

Croniquetas

por Enzo Carlo Barrocco


Safina em ação na final de Roland Garros de 2008

Sábado passado (07.06) assisti, pela TV, a partida final feminina do torneio de tênis de Roland Garros 2008 entre a sérvia Ana Ivanovic e a Russa Dinara Safina. O que deu para notar foi uma Safina estressada, reclamante e até intransigente com os pegadores de bola que, a certa altura, nem queriam mais pegar as bolas perdidas por ela. Safina, que está chegando agora às primeiras colocações do ranking do tênis mundial, deveria ser menos temperamental. Tudo bem que ela estava perdendo uma nota violenta, mas não precisava tanto. Resultado do jogo: Ivanovic 2 X 0, com parciais de 6-4 e 6-3.





quinta-feira, 5 de junho de 2008

A LANTERNA DOS LUMIÈRE - OS INCRÍVEIS PODERES DA PIXAR

Resenha

por Enzo Carlo Barrocco


A UNIÃO FAZ, INCRIVELMENTE, A FORÇA




Filme: Os Incríveis (The Incredibles). Animação. 115 minutos. EUA , 2004, Direção: Brad Bird

A equipe de desenvolveu “Os Incríveis”, foi a mesma que criou “Toy Story”, “Procurando Nemo” e “Monstros S.A.” e, nesse filme, mostra a competência que esse grupo sempre mostrou. Alguns críticos, inclusive, dizem que “Os Incríveis” é um filme inovador no gênero longa animado e que deu ao diretor Brad Bird e sua equipe o pioneirismo na criação de um mundo tão criativamente vivo e, possivelmente, este filme seja o mais humano já feito. A Pixar, realmente, trabalhou bastante no avanço tecnológico desse gênero levando para cada filme subseqüente, desde “Troy Story” de 1995, passando por “Vida de Inseto”, entre outros. Enredo convincente e personagens interessantíssimos fazem de “Os Incríveis” um filme apaixonante; ganhador de dois Oscars, incluindo melhor longa animado. Bird afirma que “Os Incríveis” é a história de uma família aprendendo a equilibrar suas vidas individuais com seu amor um pelo outro, e completa: "também é uma comédia sobre super-heróis descobrindo seu lado humano mais comum. Eu quis criar um mundo repleto de referências culturais: com bugigangas de filmes de espionagem e super poderes dos quadrinhos e vilões escandalosamente maus usando dispositivos engenhosos, mas também criar uma história dentro desse mundo sobre a família. Eu realmente derramei todo meu coração dentro da história. Todas essas coisas pessoais: sobre ser um marido, ser um pai, a idéia de envelhecer, a importância da família, o significado do trabalho e o sentimento de pensar que você está perdendo as coisas que mais ama; tudo colocado dentro de uma grande história". Roberto Pêra, sob o pseudônimo Sr. Incrível, em outros tempos já foi o maior herói do planeta. Por ter sido processado após salvar um homem do suicídio, o governo o obriga à aposentadoria. Vivendo normalmente no subúrbio da cidade com sua mulher Helena (a mulher elástica) e seus três filhos – que também possuem super poderes - Pêra tem a chance de voltar à ativa quando é convidado para uma missão secreta em uma ilha remota. As seqüências, a partir daí, são excepcionais. Agora com o futuro do mundo sob sua responsabilidade, a família de super-heróis deverá unir as forças para o combate ao crime e à impunidade.

PAISAGENS DA ALMA


terça-feira, 3 de junho de 2008

UMA FLOR DO CANTEIRO DO LAU


Lau Siqueira
(Jaguarão 1957)
Poeta gaúcho

o galo

o silêncio
com suas equações
de estrelas
abre os portais
da madrugada

sob os olhos atentos
do infinito
um quarto de lua
empresta a partitura
ao galo

segunda-feira, 2 de junho de 2008

O DIÁRIO DOS PENSADORES - PÁGINA 27

O caminho mais curto para o sucesso é sempre tentar mais uma vez.
- Thomas Edison (Milan 1847 - West Orange 1931) cientista americano

Memória é o único paraíso para o qual ninguém pode nos levar.
- Jean Paul Friedrich Richter (Wunsiedel 1763 – Bayreuth 1825) novelista, romancista, ensaísta e humorista alemão

Ao avarento falta tanto o que tem como o que não tem.
- Antoine Rivarol (Bagnols 1753 – Berlim, Alemanha 1801) físico e humanista francês

A arte e a contemplação: é o prazer do espírito que penetra a natureza e descobre que a natureza também tem alma.
- Auguste Rodin (Paris 1840 – Meudon 1917) escultor francês

Deus me livre de ser inteligente.
- Nelson Rodrigues (Recife 1912 – Rio de Janeiro 1980) dramaturgo, cronista e jornalista pernambucano

Eu preferiria ser o homem que comprou a ponte de Brooklyn do que quem a vendeu.
- Will Rogers (Oologah 1879 – Em um acidente aéreo no Estado do Alaska 1935) ator comediante e humorista americano

As árvores de natal empilhadas para serem vendidas são um dos mais alegres sinais do mundo.
- Andy Rooney (Albany 1919) apresentador de TV, humorista, dramaturgo e jornalista americano

Ciência sem consciência é somente ruína da alma.
- François Rabelais (La Devinière 1494 – Paris 1553) romancista e humanista francês

Fortaleça-se com contentamento, pois isto é uma fortaleza inexpugnável.
- Epicteto (Hierápolis 50 – Nilópolis, Império Romano 130) filósofo grego

A civilização deve o máximo aos homens e mulheres, conhecidos e desconhecidos, cujas mentes livres e inquiridoras e os cérebros inquietos não puderam se subjugados pela tirania.
- Franklin Delano Roosevelt (Nova York 1882 - Warm Springs 1945) político e ex-presidente americano

A colheita é comum, mas o capinar é sozinho.
- João Guimarães Rosa (Cordisburgo 1908 – Rio de Janeiro 1967) romancista, contista e poeta mineiro